Outros

Aníbal Raposo

Concerto de Música Popular Urbana

16 Outubro 2004, 21H30

Aníbal Duarte Raposo, nascido na freguesia de Relva, concelho de Ponta Delgada a 5 de Dezembro de 1954. No Liceu Nacional de Ponta Delgada (hoje Antero de Quental) faz parte do Orfeão e funda com outros jovens amigos o Coro da Igreja do Carmo onde compõe diversos temas religiosos que se distinguem pela inovação em relação à música habitualmente cantada nos templos nessa época. Em 1973 parte para o Porto para estudar engenharia mecânica terminando a licenciatura em 1978. Durante essa época faz parte da direcção do TUP (Teatro Universitário do Porto) e compõe vários temas para as peças que são levadas à cena por este grupo teatral. Funda com outros colegas o Coro do TUP que percorre todo país dando espectáculos de música popular, tradicional e de intervenção.

Em 1978 regressa a S. Miguel onde com Luís Alberto Bettencourt, Emanuel Frazão, Carlos Frazão, Gil Alves, Luísa Alves e Zeca funda o grupo Construção que grava em 1982 o álbum "Há qualquer coisa" com músicas totalmente originais (este álbum, pela sua relevância para a música açoriana, foi reeditado em formato CD em Fevereiro de 2001).
Desfeito o grupo Construção, funda, novamente com Luís Alberto Bettencourt e com Carlos Guerreiro (hoje membro do grupo Gaiteiros de Lisboa), o agrupamento Rimanço dedicado à música popular e tradicional dos Açores. Este grupo é responsável por inúmeros temas originais e espectáculos em praticamente todas as ilhas dos Açores. Em 1986 o grupo candidata-se ao Festival da Canção da RTP com o tema "Vapor da Madrugada" tendo arrecadado um honroso segundo lugar.

Tem participado como compositor e intérprete em diversos programas da RDP e RTP dos quais se destacam os temas escritos para as séries televisivas de José Medeiros "Balada do Atlântico" e "O Barco e o Sonho" - ("Comércio de Angra", com letra de Álamo de Oliveira e "Maré e Natividade"). Estes e o "Tema para Margarida" fazem parte do conhecido CD de temática açoriana "7 anos de música" editado pela DISREGO.

Em 1992 com outros músicos açorianos cria o grupo Albatroz que leva a música tradicional açoriana e alguns temas do autor ao festival da canção do mar "Brest 92" na Bretanha francesa.

Em 1996 funda o Grupo "Ala Bote" com o fim específico de levar mais uma vez a música tradicional e popular açoriana à Gran Canária ao festival "Mar de Encanto" realizado em Arinaga. Nesse mesmo ano é gravado o CD da fadista micaelense Laudalina Cabral "Minha Terra, Minha Terra" que inclui oito fados originais do autor. Participa, como compositor, no CD "Tons de azul" editado pela Direcção Regional da Cultura com o tema "Eu não sei como te chamas".

O CD "Maré Cheia" inclui quinze originais do autor compostos entre 1988 e 1998.

Partilhar evento